libertas .~*


deitou-se. 'menos um dia', era o que pensava. a cabeça sobre o travesseiro e os olhos fechados mostravam que a mente devaneava por outros lugares. lugares muito diferentes daquele onde passava os dias atualmente.

o árduo dia de trabalho havia sido compensador. trabalhar ali tinha uma função que ia além de dignificar o homem. o distraía, bloqueava os pensamentos suicidas de outrora.

tinha um filho que nem o conhecia. preferia assim, 'aqui não é lugar de criança', dizia. queria vê-lo correr, sorrir, brincar, mas queria ainda mais que a criança não visse suas lágrimas de dor e arrependimento por não poder viver ao seu lado e demonstrar de perto todo o amor que sentia. ansiava pelo dia em que o compensaria por essa ausência forçada.

à noite era quando todos os sentimentos vinham à tona. quando tudo voltava. as reuniões em família, os amigos, sua mãe. junto com os pensamentos bons vinham também as lembranças ruins. o dia em que foi descoberto. o maior dos erros foi pensar que viveria livre para sempre, impune. percebeu que, pode demorar, mas a gente sempre acaba pagando pelos nossos atos. e, pior, às vezes o preço acaba sendo mais caro do que se imagina.

deitado ali sentia o peso da consciência. a saudade já não cabia dentro de si e transbordava pelos olhos. chorava sozinho, calado. assim acontecia todas as noites.

queria apenas ser compreendido. ter alguém com quem conversar e que realmente o entendesse e não o criticasse por seu bom comportamentohoje sabia melhor que ninguém que certas escolhas na vida nos levam a consequências inimagináveis. tinha consciência de tudo isso. mas era tarde. a conferência já tinha sido feita. alguém já havia apagado as luzes. restava a ele apenas esperar pelo próximo dia, almejando que fosse compensador e tranquilo como esse último. 

seis anos, quatro meses e  doze dias ainda restavam. contava os dias, marcava-os numa folha de papel. de olhos fechados, todas as noites segundos antes de pegar no sono, algo sempre o questionava lá no fundo. uma única pergunta que latejava em sua mente como um pisca-alerta: qual o preço da liberdade?

--------------------------------------------------------------

* nesses dias que fiquei ausente por problemas técnicos pude perceber nitidamente uma coisa: É RUIM DEMAAAAIS FICAR SEM INTERNET!!!!!!

** Gostaria de agradecer imensamente o carinho da Marina Menezes, nossa Top Comentarista aqui no Cadê Minha Fluoxetina pela indicação ao selinho! Obrigada mesmo, sua linda! <3


Regras do selinho:

1. LINKAR O BLOG DE QUEM VOCÊ GANHOU -> Ler, Imagina, Criar
2. DIVULGAR O SELINHO -> tá aí em cima rs
3. COLOCAR O SELO NO BLOG -> ok! ;)
4. ESCOLHER 10 BLOGS PARA PRESENTEAR -> vou indicar 3, pode ser? o tempo tá curto pra listar  tanta gente rs mas vale lembrar que tem mais de 10 blogs que visito e que merecem o selinho, sem dúvidas!! Eu indico para: O Marca Páginas, Catando Coquinhos (cadê posts, menina Alice??? u_u) e Haru Haru Sorria.
 

11 comentários

  1. Kelly, quase chorei aqui lendo esse post... kk'
    Muito legal a história e tudo haver com o momento q vc táh vivendo.
    Super criativo e muito bem escrito.

    Parabéns mais uma vez pelo blog!!

    ResponderExcluir
  2. Oi Kelly!

    Eu realmente adoro vir aqui. Gosto de tudo...do layout, do título, e principalmente das postagens. Com certeza é um dos meus blog preferidos.

    Obrigada por participar do sorteio lá no Marca. Continue tentando sempre. Eu tambem não sou sortuuda, mas as vezes cola. rsrss

    Beijinhos Mil.

    ResponderExcluir
  3. Texto mais do que perfeito ;)
    Muito bonito. Parabéns!

    Lucas / Era uma vez...

    ResponderExcluir
  4. nossa que texto forte. E não você não pode sumir mais *não sou ninguém para falar isso* HGSUAHSUAHSUAHSUA mas eu adoro o seu blog, então não suma mais U_U

    ResponderExcluir
  5. texto lindo e perfeito como sempre Kelly, me emocionei. estava sentindo falta de post aqui no seu blog e é horrível mesmo ficar sem internet.
    beijos flor!

    ResponderExcluir
  6. Ah, achei seu blog tão lindo! *-*
    Eu terminei de ler Charlie St. Cloud há poucas semanas, é muito bom >.< Tá gostando?
    Que belo post. Minha cara é ficar perdido em pensamentos e curtindo a insônia na hora de dormir :x Os dias de chorar sempre chegam.
    Ah! Parabéns pelo selo \õõ
    Visita-me? :D

    ResponderExcluir
  7. AAhh eu to nos top comentaristas :e Não precisa agradecer o carinho, você merece!!
    Eu também penso muito antes de dormir. A imagem ilustrou muito bem o texto, dá pra entender que ele estava preso né. "Qual o preço da liberdade?" Gostei do final :tup

    ResponderExcluir
  8. adorei! Espero a sua visita! http://larissacanziani.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Ei Kelly!

    Nossa,o que dizer do texto?! Acho que é bem isso, às vezes pagamos um preço alto demais para sermos "livres", e acabamos numa prisão mesmo sem perceber. É complicado :/
    Muito bom mesmo o texto ;)
    Desculpa a minha sumida básica também, minhas aulas voltaram, aí já viu né? hahah

    Bjoos'
    Lets

    ResponderExcluir
  10. Oi Kelly, muito legal esse texto, você escreve super bem, já eu não tenho tanta desenvoltura assim para escrever textos e poesias, você conseguiu transmitir bem o remorso do cara por não poder ver o filho porque estava preso. Ficar muito tempo longe do que você ama faz você pensar nos erros que cometeu e no que vale realmente a pena lutar na vida.
    Abraços.

    http://viciadoemlivrosefilmes.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  11. oi querida,
    putzz ficar sem internet ou sem pc é pessimo :SS
    Adorei o texto, muito tenso e triste, mas muito bem escrito.
    boa semana
    ;*

    dudsparrow.blogspot.com

    ResponderExcluir

Olá, queridos! Muito obrigada pela visita!

Seu comentário será sempre retribuído, desde que ele não seja ofensivo ou contenha apenas propaganda. Não custa ler a postagem antes de dar sua opinião, custa? Se custar, me fale o preço e eu vou analisar bem se sua visita vale o que você tá pedindo. rs

No mais é isso, me sigam e eu sigo de volta. ^^

beijos, beijos

Topo